Travel notes                                                                     Click to read about what I've done in Lubango - in Portuguese


The first travel

Luanda | Lubango: first images | Acrobacias aéreas | A primeira viagem ao mato:as Quedas da Hunguéria | Viagem ao Namibe| Vidas de miséria |  O 11 de Setembro de 2001 | Regresso a Lisboa

The second travel

De novo em Angola | Incidentes | O Dia da Paz | Os putos engraxadores


These “travel notes” they result of two trips that I've made to the city of Lubango (former Sá da Bandeira), in 2001 and 2002, to give formation in Cartography and Geographical Information Systems to same technicians of the Provincial Government of Huíla.  

It was a very gratifying experience, at all levels, resultant of the many adventures and desventures lived there. Some were importants, others not, however, some of them because they have happened out of mine normal “habitat” – Lisbon, won some relevance.  

These notes were written in my vacance hours and I decided to share them with you. They are not whole here published, but along the time, they will go be complet. Whole the presented notes refer to real cases. All the names of the intervenients were omitted or changed. The angolan reality described in these notes reports to the years of 2001 and 2002.  

In spite of I'm not being a writer, but a geographer, I leave these notes about my experience, thinking that they could be useful for someone. In case you want to make any comment to these texts about my trips I thank that you make the in the "Meeting place".

These notes are being translated from the Portuguese Version of this site, so, be pacient and sorry for my bad English.

 


Luanda

                                                                           Voltar ao topo da página

Dawn of 6 July of 2001, I looked at for the window of the airplane and, in the darkness I saw a series of small lights reflecting its image in the ocean. They seemed lit candles! I asked to who went at my side that what was that, he answered me that it came from the offshore platforms of oil exploration at the coast of Cabinda. It meant that I was already the South of Ecuador and that means I was near to arrive at my destiny - Luanda!  

The stewardesses served the small-lunch quickly and after that it begans the preparations for the landing. Some time then, the plane began to go down, beginning the process approach very close to the airport of Luanda, what took the one gone down fast and abrupt, what became in a true test to the all the passengers' tympanums!  

The airplane touched the track of the Airport February 4th, after a strong braking, the plane rolls slowly to its place in the parking place. During that course, I saw one without number of airplanes! Was planes of all the sizes; ones of passengers others of freight; ones of Russian manufacture, others Americans or Europeans; some, of a manufacturer others of another; some new ones others very old... I Believe that an aerial festival, in the First World, didn't get to join such great panoply of airplanes...  

I felt the movement around most of the airplanes. They were to be carried with whole type of merchandises to being transported to the counties capitals that form the Republic of Angola. This was the safest form used to supply the vast territory that composes this Country, due to the insecurity situation in the angolan highways because the civil war.  

I leaved the plane and I had the first contact with the climateric difference from Lisbon. They were not yet 7 hours A.M. and it already felt in the skin the wet heat characteristic of Luanda. I went to the building of the airport, from the portuguese colonial time with some adaptations, to cross the services customs officer. A complication! I had to show the International Bulletin of Vaccines here, to stamp passport there, to show stamp over there! I got to arrive to the ludgage terminal... I had to await... The rolling carpet rotates, but anything... The heat began to press and I continued to wait... At the end of three and a half hours the ludgage appears! They said that had been a problem, somewhere in the process of the ludgage transport ... I went to the last barrier to leave of the airport: the ludgage inspection ... one of my accompanyings more experienced in these travels solved the problem quickly... One more difficulty defeated!  

Finally, I leaved the airport and due to the amount of ludgage that we took, we have been immediately surrounded by a crew of small kids that they offered as a luggage racks. They wanted to win some money carrying our ludgages or in case that we distracted ourselves, perhaps they steal a suitcase! Our contact in Luanda it was already waiting for us and quickly it put end to the situation. It was almost noon, when it took us to the hotel. It was the Tropic Hotel. It knew now good moments due to the works that it had been subject and it was best than many hotels of Lisbon.  

Due to the intense traffic, we drive through the streets of Luanda very slowly. It was my first contact with this city. The streets were completely full of people! It was an enormous confusion! Of that little contact, between the airport and the hotel that it is located in the Mission Street, in the neighborhood of Ingombotas, three events marked me immediately. In first, it were the hundreds of zungueiros (street salespersons) searching for a possibility of a fast business and they approached to the glasses of the jeep to getting our attention for the goods that they carried to see if we buy someting. We could see almost everting for sale! An authentic traveling Kashbah! In second, the enormous amount of war displaced in deplorable situation. With the war, these people took refuge in Luanda, thinking that the capital, for besides providing them shelter of the combats, it would also bring them some opportunities to improve the life conditions. They had been thousands to moving to this urbe.... At the last, the enormous amount of barses in the windows of the houses and stores. In the buildings, we could saw barses from the inferior floors to the superiors! It was the first prenunce of the insecurity that was lived n Luanda! It was impressive and frightening!  

After the lunch, I went rest a little to the dinnertime. Already in the room, I lied on the bed and I looked at the ceiling, thinking about the emotions of the last 24 hours. First, they had been the relatives and friends' farewells, where almost everybody alerted me for the possible dangers that I could face in Angola! In second, what happened at the airport of Lisbon. I had gone by a quite humiliating moment! I went all reviewed because when I transposing the safety alarm, I made shoot it! After a meticulous inspection, the securities discovered a small present in an of the pockets of my blouse that made activated the alarm. They asked me what that contained. I answered that I didn't know! It had been offered at few moments before. They ordered me to place the box in the roller to be analyzed to the X ray. After they verify what that contains, with a roguish smile, the security guards that had reviewed me, there let me to go aboard. Only in the airplane I had opportunity to open the box. It contained preservatives (condoms)! After It was the stress originated by the fear of flying that it didn't let me to relax during the fligh! It was more than 24 hours that I didn't sleep! Last, the first impressions of Luanda! The “business card” of the city it had not pleased me and I only thought where I had come to go into! It was being too much emotions for one day! I ended for sleeping...


 

Lubango: first images

                                                                            Voltar ao topo da página

Two days after I have arrived to Luanda, at 6 hours A.M., the waking service of the hotel woke me up. I needed to get ready to take the regional flight of the SAL, to Lubango. It had been two days in Luanda and I little had seen of the city for safety metters. We only moved by car with the doors locked because walking on foot was very risky. We arrived to the airport February 4 and we drove to the embarks dock of the SAL and it was when I see that I will travel in an old twin-engine plane of 16 seates. It was in that that I had to go to my destination! For who has fear of flying, it should not have better emotion than to do the voyage in that small plane, mainly, when it was still present in my memory that few months before, a similar plane to this had collided against the Mountain of Leba. But the best was to avoid bad thoughts...  

Before we follow voyage, I had to confirm the ludgage that it was all present to embark – I was surprised with the system, but I verified that was a rule in the angolan airports, to all kind of flights, regioanl and international ones. The ludgage it was all profiled and after we identify it, we entered in the little plane that lifted flight in direction to the South. In two hours it would be in Lubango. In spite of the apprehension, I was to find more interesting to fly in these little planes. In it I could observe, maneuvers of the pilots and the landscape with more detail. We flew close to the coast line over de sea. It was the route to the cities of the South. At the latitude of Benguela, the pilot moved of direction and we started to overfly land. We were going to East. We overfly that city and the Chela-Leba mountain and immediately after that, the Lubango.  

With the approach procedures to the track of the Airport of Mukanka (former Aeródromo Sá da Bandeira), we overfly the city and I could make a first evaluation of the Lubango. It presented a central nucleus of buildings, corresponding, in its generality, to the former Sá da Bandeira that had been built by the Portugueses and in around it there was an immense musseque (barracks). It is this miscellany of constructions that composes the Lubango of nowadays. It was difficult to calculate how many inhabitants resided there. Some United Nations organisms was already advanced several numbers, very different among thems. I bet in about 400 thousand inhabitants, but I would have opportunity to evaluate the city and its population more closely.  

I went observing the landing procedures made by the pilots and the track went being more and more close. The wheels touched the soil and the little plane roll fast over the tarmac. The brackes worked until the little plane rolls soften, later it began to go slowly until stopping in the parking of the building of the airport. I leave the little plane and it was when I see that it was in front of me, I was openmouthed to look at it, dazzled! They were two fighters that there there parked. A SU-27 and a Mig-21! They were spectacular! Later I knew that  fighters were there because the airport was mixed (civil and militar one) and it also included a school for pilots of the angolan aerial force.

After some moments of contemplation at the fighters, I went forward to the building of the airport. It was an old construction that presented plenty signs of degradation. The interior was completely inadequate to the needs and the current demands for this type of equipments. There we had to show again the passport and fill a register document to enter in the county! One more review to the ludgage! Some of thoses that traveled with me they claimed that we had been reviewed in Luanda, but there was not anything to do. This was only acceptable because the civil war in Angola!

Our contact in Lubango it already awaited us. Later I came to notice that he was one of those anonymous heroes that participate actively in the construction of something, but they never became a public name for an or other reason, but all of that ones that became to know them they will start to admire them for its bravery acts and courage. After the presentations, we entered in the jeep and we went to the city.   

Already in the national road, the first vision to our left, was the Marginal Mountain that involves the Lubango, with its Christ-king's statue. After a few kilometers we crossed the Chioco neighborhood, composed by a houses of the time of the Portuguese ocupation, accompanied by precarious habitations of adobe (barracks). After we drive thrue place with the designation of Barracões. After, at the enterence of the Lubango city, the railway station. We entered at the perimeter of the city. In first we passed the Santo António neighborhood, in second the Outra Banda neighborhood, after we crossed the small bridge over the Mucufi river (flowing of the Caculuvar river) and we continued our course inside the Benfica neighborhood to we enter in the Commercial neighborhood. In here We stopped close to a building, in the quarter back of the building of the Provincial Government of Huíla. It was the building of the old restaurant “The Fork” – Today, the Café Huila.   

It was at this building that I would live in the next 3 months. I had a first impression of the city and it had pleased me. It was different from Luanda! It seemed to be a calm city, clean one and airy! The buildings also had a degraded aspect but there was less barses in the windows, being a sign that there existed a more bigger safety! The climate also nothing had to be with Luanda. It was more pleasant and dry! It was much more animated...

 


 

Acrobacias aéreas

                                                                            Voltar ao topo da página

Depois do almoço, fomos tomar um café ao Kanimambo e seguimos para o Governo Provincial da Huíla. Eram os meus primeiros dias na cidade e estava a trabalhar, quando de repente, ouvi o uivo de um reactor, cujo som crescia de uma forma cada vez mais rápida e intensa! De repente: HHHUUUOOOUUUUOOO!!!!!! Tudo estremeceu ... Os vidros ... O chão do edifício ... Eu e as outras pessoas que estavam na sala corremos para as janelas ver o que era aquilo!

 

Era o SU-27 que tínhamos visto estacionado no aeroporto dias antes e que acabava de passar a baixa altitude sobre a cidade! Ainda o vimos a curvar sobre o Cristo-Rei em direcção ao aeroporto até desaparecer de vista numa larga curva à nossa esquerda! Comentámos uns com os outros aquela passagem e já estávamos a começar a sentar-nos quando o som voltou a intensificar-se! Fomos de novo à janela e vimos o caça a fazer nova passagem a baixa altitude sobre outra área da cidade!

 

Então, o piloto começou a fazer evoluir o avião sobre a cidade a baixa altitude, fazendo curvas apertadas para a esquerda e para a direita, loopings, espirais ... e mais uma manobra e outra! A população foi assumindo às janelas e às ruas para ver aquele espectáculo! As evoluções duraram alguns minutos, até que a dado momento, o caça volta a passar por cima de nós, direito ao Cristo-Rei. Sobre a estátua, começa a subir numa linha vertical, até chegar à base das nuvens. Nesta altura, os reactores deixam-se de ouvir e pouco depois, o SU-27 fica suspenso no ar durante alguns segundos! Também quem assistia ficou suspenso de emoção! Então, o caça começa um movimento descendente para trás durante alguns metros, até que o avião endireita e começa a planar sobre a Cordilheira Marginal! O piloto tinha acabado de fazer um “tail-slide back down” (designação técnica da manobra. Movimento para trás e descendente de uma aeronave que ficou suspensa no ar - por perda de potência do reactor - depois uma subida íngreme) sobre o Cristo Rei! De repente, ouve-se de novo os reactores e numa curva vertiginosa à nossa direita, o caça desaparece … e as acrobacias terminam!

 

Era mais um dia diferente, dos vários que Angola já me tinha proporcionado em tão pouco tempo de permanência! Os europeus que estavam na sala, diziam: - “O piloto é maluco! Fazer isto sobre a cidade! Na Europa não se vê isto!”. Os africanos comentavam: - “O piloto é muito bom! O avião, um espectáculo!”. Eu só me lamentava … Naquele dia tinha esquecido a máquina fotográfica em casa ...

 


 

A primeira viagem ao mato: as Quedas da Hunguéria.

                                                                            Voltar ao topo da página

As molas do Patrol gemiam e contorciam-se, o meu corpo batia com força no espaldar do banco ao sabor dos estragos da picada, criados pelas intempéries e pelo acumular de anos sem manutenção. A viatura circulava devagar, por vezes com as “quatro baixas” aplicadas a fundo. Andávamos nisto à umas horas, até que decidimos parar. Precisávamos de descansar as costas e o jipe. Doía-nos tudo, imagine-se a máquina! Já há duas horas que navegávamos num mar revolto de uma pseudo estrada de terra batida para fazer uns míseros 10 a 15 quilómetros. A picada era numa amálgama de buracos e enormes valas cavadas pelas enxurradas durante o tempo das chuvas!

 

Estávamos a fazer um circuito entre a Chibia, o Jau e a Huila, de forma a verificarmos as necessidades de intervenção para melhorar aquela picada e ao mesmo tempo, aproveitávamos para testar um sistema integrado de um GPS ligado a um sistema de informação geográfica armazenado num computador portátil, que nos permitia saber em tempo real onde nos encontrávamos sobre as cartas topográficas da província, à escala 1:100 000 e marcar o traçado que devia ser sujeito a obras.

 

Tínhamos parado no meio do mato junto a uma encruzilhada, perto de um pequeno ribeiro, sobre o qual se via uma velha ponte. Contemplava aquela paisagem fantástica, quando alguém que observava a carta topográfica que estava visível no monitor do portátil disse: - “As quedas da Hunguéria são aqui perto. Dá a ideia de o desvio não ser grande. Podíamos ir visitá-las!” Fomos consultar o mapa e medimos a distância. Não eram mais de 6 ou 7 quilómetros! Entre todos, decidimos ir até lá.

 

Virámos em direcção à Hunguéria e passados uns 2 ou 3 quilómetros é que verificámos onde nos tínhamos metido. Se até à encruzilhada a picada estava má, dali para as quedas era péssima! No entanto, como bons “aventureiros” decidimos não desistir! Fomos avançando, vencendo lentamente cada um dos vários obstáculos que se nos iam deparando. Chegámos ao topo de uma elevação e controlámos a nossa posição com o GPS. Verificámos que já deveríamos ter feito 2 terços do percurso e que as quedas ficavam no vale à nossa frente. Decidimos almoçar naquele local e depois avançar. De repente, reparámos que tínhamos parado junto a um quimbo. Deixámo-nos ficar, enquanto íamos saboreando as sandes de carne assada e sedentávamo-nos com gasosas. Passados uns momentos, aproximaram-se de nós três aldeões. Primeiro um, com roupagem ocidentalizada, que entrosou conversa connosco, onde ficamos a saber que tinha alguns estudos básicos e por profissão, a enfermagem. Seguiram-se dois mucubais, com trajes tradicionais, incluindo as lanças. Começaram por pedir cigarros – reparámos que era a primeira vez que contactavam com cigarros com filtro – e depois também entabularam alguma prosa. Uma das maiores curiosidades daquela troca de palavras foi sabermos que ninguém era daquelas belas terras! Entre os brancos, uns eram nados na Europa (Portugal), e outros na Lucira e no Namibe (antiga Moçâmedes). Entre os negros, os mucubais eram de perto de Benguela e o enfermeiro do norte de Angola! Já no Lubango tínha observado esta particularidade do povo angolano. Parecia que se deslocavam com grande facilidade de um lado para o outro e que nada os fixava a um lugar...

 

Após terminarmos a nossa refeição ligeira, despedimo-nos dos nossos interlocutores de ocasião e avançámos direitos ao vale. Fomos descendo muito lentamente devido às péssimas condições da picada, mas a magnifica paisagem que nos rodeava compensava todas aquelas dificuldades. Chegámos a uma bifurcação e fomos consultar o mapa. Verificámos que tínhamos de virar à nossa direita para alcançarmos ao nosso destino. Continuámos, agora por uma picada cada vez mais estreita, onde o capim ia aumentando de densidade e de altura! Mais uns metros e a vegetação já ultrapassava a altura do Patrol! Um de nós teve de sair para ir verificar o terreno e orientar o condutor à medida que avançávamos. Após alguns minutos, desembocámos num terreiro onde existiam algumas cabanas em mau estado, que em tempos devem ter servido de apoio a alguma pequena exploração ligada à restauração. Também lá se encontrava estacionado mais um jipe de outros aventureiros.

 

Junto às cabanas estava um adolescente a quem perguntámos onde ficavam as quedas de água e se nos acompanhava até lá. Ouvíamos distintamente o ruído da cascata mas não sabíamos onde se localizava. Disse-nos que era o guia que fazia esse trabalho e que este tinha acompanhado os outros excursionistas. No entanto, apontou-nos a direcção e decidimos marchar até lá por entre um capim com mais de dois metros de altura. Fomos caminhando e o ruído da água ia aumentando. Fomos ao seu encontro. De repente, ouvimos vozes ... Eram os outros passeantes que regressavam com o guia. Como já sabiam o caminho até ao jipe, dispensaram-nos o jovem que nos orientou através da mata. A dada altura, atravessámos o rio Hunguéria e do outro lado da margem … o guia apontou para a entrada de uma gruta e disse que a queda de água era ali! Tivemos de subir por uma rocha escorregadia até chegarmos ao interior da caverna. Lá dentro, o espectáculo era maravilhoso! As paredes da gruta eram de um vermelho vivo e a alguns metros acima de nós, existia um buraco de onde a água caía directamente para uma lagoa que havia dentro da gruta, que através de um sifão alimentava o rio que dava o nome à queda de água!

 

Ficámos durante longos minutos, completamente fascinados a olhar para aquele cenário! Não havia palavras para descrever aquela beleza construída pela Natureza... Nunca mais iria esquecer aquele lugar idílico... Tirámos várias fotografias e regressámos ao local onde tínhamos deixado o Patrol. Fizemos o caminho inverso de regresso a casa.

 

Foram mais umas horas a moer os ossos ao sabor dos solavancos. Quando cheguei, já era noite. Estava cansado, mas valera a pena …


Viagem ao Namibe

                                                                            Voltar ao topo da página

Naquele Domingo, ainda os primeiros raios de Sol começavam a iluminar o imenso planalto da Huíla e já estávamos parados junto à feira da vila da Humpata para comprar umas gasosas. Em torno desta localidade existiam dos melhores terrenos de aproveitamento agrícola de Angola e isto era evidente e patente através dos campos de cultivo que fomos vendo ao longo da estrada nacional que atravessa o município. Os campos estavam devidamente arranjados com produtos hortícolas; com pomares e com instalações agropecuárias. Em virtude disto, a vila acomoda uma delegação do Instituto de Desenvolvimento Agrário de Angola, aproveitando as instalações da estação que fora construída com o mesmo fim, durante o tempo colonial.

 

Continuámos o nosso caminho. Tínhamos por destino a antiga Moçâmedes, actual cidade do Namibe. Eu estava particularmente ansioso com o que poderia ver ao longo dos mais de 200 km do percurso. Tinha lido uns textos de Ilídio do Amaral e Orlando Ribeiro sobre a geomorfologia e a biodiversidade existente neste espaço territorial e isso tinha aguçado a minha curiosidade porque, pelas descrições, a paisagem deveria ser magnífica.

 

Continuamos caminho ao longo da estrada nacional que liga o Lubango ao Namibe. Passámos pelo segundo posto de controlo existente naquele percurso ( o primeiro, era junto ao cruzamento para o Cristo-Rei) e mais à frente, ficámos perante a famosa estrada da Leba, conhecida pelas suas imensas curvas e contracurvas e que nos permitiria descer do topo da Cordilheira Marginal (a aproximadamente 2100 metros de altitude) para uma altitude próxima da do nível médio do mar. Iniciámos sua descida onde aproveitei para tirar algumas fotografias. A magnificência da paisagem é difícil de descrever …

 

Chegámos ao sopé e continuámos em direcção ao mar. A diversificação da paisagem era intensa, era uma lição contínua de Geografia Física. Podia observar a alteração do coberto vegetal em função da altitude e da alteração climática em função da aproximação ao mar … eram elementos na paisagem como as centenas de inselbergs … A meio do caminho passamos por uns construções com uma arquitectura peculiar, o que me chamou a atenção. Perguntei aos meus colegas de viagem o que era aquilo e um deles respondeu-me que era a antiga Estação Zoológica do Caraculo, no Munhino, para a criação de ovelhas. Num flash, lembrei-me das minhas aulas da Primária quando a professora falava sobre a “Província” de Angola e sobre os seus recursos … Agora, não passava de edifícios abandonados ….

 

Perto do meio-dia, chegámos aos arrabaldes do Namibe. Devido à hora, decidimos ir almoçar e só depois visitar a cidade e dirigimo-nos para Norte da cidade e fizemos a nossa ligeira refeição no meio de campos cultivados com produtos hortícolas. A seguir ao almoço, entrámos na cidade … percorremos uma enorme avenida em direcção ao porto. O aspecto do tecido urbano do núcleo antigo fazia-me lembrar algumas cidades algarvias … O porto era enorme … mas apenas tinha um navio e ao largo … demos mais umas voltas pela cidade e depois dirigimo-nos ao deserto do Namibe. Rodámos vários quilómetros pela estrada que liga o Namibe a Tombwa (antigo Porto Alexandre) até encontrarmos as Welwistchia mirabilis. É uma planta única no mundo que só existe neste local. Parámos para tirar fotografias, contudo, sem não esconder algum receio por o fazermos, pois a algumas dezenas de metros mais à frente existiam sinais de delimitação de um campo minado.

 

Voltámos à cidade e demos mais umas voltas. Passeámos pelo núcleo antigo e recente do lugar. Era uma cidade bonita, embora apresentando alguma degradação. Contudo, tal como no Lubango e ao contrário do que muitos jornalistas portugueses nos tentaram fazer crer durante anos, ambas as cidades mantinham intactas – com excepção da estatuária – todas as obras deixadas para trás durante o processo de descolonização.

 

Tinha gostado da cidade … no entanto, estava feliz por já estarmos a fazer a viagem de volta ao Lubango porque começava a sentir uma certa ligação àquela cidade que tão bem me tinha acolhido.

 


 

Vidas de miséria

                                                                            Voltar ao topo da página

Levantei-me da mesa e sentei-me para acabar de ver o telejornal da RTP África. Enquanto isso, pensava que naquele dia a refeição tinha sido magnífica. Disseram-me em Lisboa que se calhar ia comer mal em Angola devido à situação de guerra civil mas, o almoço daquele dia tinha sido um verdadeiro repasto de vaca assada com arroz. Acho que nunca tinha comido uma carne tão deliciosa como aquela. Provinha de gado criado nas pastagens do sul da Huíla e tinha um gosto muito superior ao produzido na Europa. E, para além daquele dia, tinha sempre comido muito bem.

 

Tinha chegado a hora de voltar ao trabalho. Saí de casa e comecei a descer as escadas do edifício quando ouvir uns ruídos no átrio. A escadaria era sombria porque o sistema de iluminação havia desaparecido à muito e por isso abrandei o passo e continuei devagar para me aperceber qual a origem daqueles sons. Virei mais um cotovelo da escadaria e cheguei ao último lanço e finalmente pude ver o que se passava. Eram três crianças, andrajosas, entre os 5 e os 7 anos, que devoravam os restos de comida que a empregada tinha acabado de deitar fora. Entre outros, também estariam os restos que tinham sobrado do meu prato e que os pequenos estavam ali a comer ... mas o que me estava a impressionar mais naquele momento, era a expressão de satisfação por estarem a alimentar-se com aquelas sobras. Não encontro as palavras para melhor descrever o que ali se passava. Fiquei alguns segundos, atónito a olhar para aquilo … Na minha breve passagem por Luanda, tinha visto uma cena similar, mas ao longe, onde crianças se deleitavam com restos encontrados num caixote do lixo. Em Lisboa também já tinha visto o mesmo, mas com os "sem‑abrigo", nunca com crianças. Mas naqueles breves momentos, contactando “olhos-nos-olhos” com aquela miséria que afectava aqueles miúdos, isso tocava muito fundo dos nossos sentimentos … Não sabia o que fazer nem como reagir … Mas tinha de fazer alguma coisa …

 

Continuei a descer as escadas e os pequenos nem se aperceberam da minha presença, tal era o frenesim! Pareciam lobos devorando uma presa. Parei junto a eles e perguntei: “ O que estão a fazer?” – Surpreendidos, pareciam baratas tontas e só diziam: “Tio, não faças mal a nós! Não bate em nós! Nós só temos fome… Deixa nós comer!” Fiquei siderado pela forma aterrorizada de como reagiram! Seria que havia alguém com coragem para os enxotar como animais sem dono?

 

Agarrei e entreguei 50 kwanzas (na altura correspondia aproximadamente a 2 USD) a cada um e disse: “Vão comprar pão (cada carcaça custava 1 kuanza) e funge para comerem!”. Eles ficaram surpresos com a dádiva e agradeceram. Para rematar aquele nosso breve encontro, e lembrando-me dos avisos que me tinham feito anteriormente sobre quando decidíamos agir de forma "caridosa" (fui alertado para não dar esmola “gorda” porque no dia seguinte teria meio mundo a pedir dinheiro à minha porta), revolvi o estômago e em tom de ralhete, afirmei: “ Dou-vos esses kwanzas para comerem mas ai de vocês se vos volto aqui a ver!”

 

Não os voltei a encontrar, mas naquele momento tinha percebido que para vivermos em Angola tínhamos de aprender a criar uma enorme “carapaça” emocional que nos permitisse conseguir viver ignorando todas aquelas vidas de miséria que mais de perto ou de longe nos rodeavam … Comecei a aperceber-me que aquele território não era para todos … E começava a entender porque a grande maioria da população enchia as igrejas aos fim de semana … E começava a pensar no meu futuro em Angola... A pensar se teria estômago para viver estas situações e conseguir ficar indiferente...

 


 

O 11 de Setembro de 2001

                                                                            Voltar ao topo da página

Passavam poucos minutos das 14 horas quando entrei no edifício do governo provincial. Como era hábito, o polícia de plantão, cumprimentou-me de forma afável. Subi ao primeiro andar e dirigi-me à sala de formação, abri a porta, liguei as UPS (devido às falhas de energia, todos os computadores se encontravam ligados a acumuladores de energia) e os computadores e iniciei mais uma tarde de trabalho. Pouco depois, a secretária do Director de Planeamento veio chamar-me para atender a um telefonema urgente de Lisboa. Corri a ver quem era. Era uma das minhas irmãs e conversámos durante breves minutos. Tão longe de Lisboa, era sempre um ânimo receber telefonemas com notícias da família e dos amigos. Já estava à mais de 2 meses no Lubango e começava a compreender aquilo que sentiam todos os migrantes quando recebem notícias de casa.

 

Quando voltei à minha rotina, e alguns dos meus formandos já estavam na sala. Cumprimentei-os e retornei à minha actividade. Passado pouco mais de 5 minutos, novo telefonema. Era outra vez a minha irmã. Estava em pânico! Gritava do outro lado da linha: - “Estão a atacar os Estados Unidos! Estão a atacar os Estados Unidos! Tens de sair já daí!” ... E eu não estava a entender nada! Ela perguntava se eu não tinha visto as imagens na televisão. Se não tinha ouvido as noticias! Estava histérica! Eu, que já tinha absorvido aquela calma que caracteriza o povo angolano, respondia-lhe que não tinha visto nada. Que estava tudo calmo! E expliquei-lhe que durante a hora de almoço, tinha havido novo corte no abastecimento da energia eléctrica à cidade e por isso não tinha visto nada. Pedi-lhe para se acalmar e explicar-me qual era o acontecimento. Mais calma, ela informou-me que tinham embatido dois aviões contra as Twin Towers e que estas se encontravam a arder e que as autoridades norte americanas pensavam que tinha sido um atentado.

 

Quando desliguei, comentei com a secretária do Director de Planeamento o que a minha irmã me tinha acabado de dizer. Neste preciso momento, chega um dos técnicos superiores do governo provincial, esbaforido, a gritar que tinha ouvido no rádio do carro que as Twin Towers nos EUA estavam a arder. Então, a secretária decidiu ligar um pequeno televisor que existia no seu gabinete e sintonizou na TPA onde verificámos que estavam a dar o acontecimento em directo a partir da uma ligação à CNN. Começaram a juntar-se várias pessoas em redor do televisor. Estavam todos atónitos observando aquelas duas torres, símbolo do poderio económico norte-americano, a serem literalmente devoradas pelas chamas. Vários comentários se começaram a ouvir. Uns diziam: – “Que maka!”; outros: – “Que desgraça!”; mas uma frase ficou no meu ouvido: – “E agora?!? Os americanos vão atacar todos os países que não são seus amigos! Se calhar também vão atacar Angola!”. Já não lembro quem a proferiu, mas foi um comentário perturbador. Depois de alguns minutos a observar aquelas imagens, fomos todos para os nossos locais de trabalho. Naquela tarde, não se ouviu a habitual alegria dos angolanos ecoando pelos corredores do enorme edifício. Também na sala de formação, estivemos todos mais silenciosos e virados para os nossos pensamentos.

 

Chegou a hora de fecho de expediente e regressei a casa. Estava ansioso por ver a RTP África. Naquele lugar, a milhares de quilómetros de distância de Portugal, a única informação diária a que tinha acesso era através do noticiário deste canal. Em Lisboa, estava habituado a doses maciças de informação. Era um viciado por notícias, mas no Lubango sentia-me à margem do mundo! Não existiam jornais diários ou semanários! Não existiam revistas! O sinal de emissão da TPA era péssimo! Só me restava a RTP África por satélite!

 

Quando entrei, para além da governanta e da sua filha, encontravam-se os vizinhos do andar de cima. Era a típica solidariedade e entreajuda angolana a vir ao de cima, algo a que assisti muitas vezes e em muitas situações. Como os vizinhos não dispunham de assinatura para disporem de canais via satélite, tinham pedido para assistir lá em casa aos acontecimentos daquele dia histórico para o mundo. Para mim foi gratificante pois tinha ficado a conhecer mais uma família angolana. Fomos conversando e comentando aqueles acontecimentos e pude ir percebendo os receios e os medos daquela família em relação ao futuro. Antes do jantar, foram embora agradecendo a amabilidade de os termos deixado assistir à emissão televisiva.

 

À noite, tentei ligar para casa para informar que estava tudo bem. Após várias tentativas, lá o consegui fazer, via Marconi ... Quando me deitei compreendi o que era viver aqueles momentos na ultra-periferia do mundo. Sentia-me deslocado .... Eram momentos importantes que se estavam a passar e tinha de os viver, quase sozinho, longe da família, longe dos amigos ...


 

Regresso a Lisboa

                                                                            Voltar ao topo da página

Último domingo de Outubro. Acordei bem cedo. Ia iniciar a longa viagem até Lisboa. A primeira etapa era o voo Lubango-Luanda. A ansiedade de rever os familiares era muita mas já só faltavam 24 horas para os rever. Cheguei ao Aeroporto da Mukanka às 9 horas da manhã para fazer o check-in. Até aqui correu tudo bem. Eram 10h30 da manhã e chegou a avioneta da SAL que me iria levar a Luanda. Veio atrasada ... Agarrei na mala porque a ansiedade era muita e já me encontrava a postos para embarcar, mas eis  que apareceu uma hospedeira de terra a dizer que por decisão de última hora do piloto, este iria primeiro a Benguela, regressava, e só depois partiríamos com destino a Luanda … Que desespero! Que bandalheira! Iam ser mais umas horas de espera! Durante esse tempo, entabulei conversa com outros passageiros. Acabei por conhecer um médico cubano que tinha preferido ficar em terras angolanas a voltar para a sua terra natal que foi contando uma série de histórias e estórias da sua vida .... Com a espera sempre conhecia mais alguma coisa da vivência humana …

 

Finalmente, às 13 horas sentei-me no meu lugar na avioneta! Era uma de 8 lugares, ainda do tempo colonial, com os bancos, e não só, a mostrarem o uso dos seus longos anos de existência. Ia partir com os lugares todos ocupados e os porta-bagagens atulhados. Via-se de tudo: malas, impressoras, tupperwares cheios de carne de boi, etc. Contudo, os voos internos da TAAG eram muito piores, onde só faltava transportarem animais vivos …

 

Os motores iniciaram a sua marcha. Primeiro o da direita, depois o da esquerda … Quando apareceu um militar a bater na porta da avioneta, era uma alta patente. Queria colocar bagagem com destino a Luanda. O piloto acedeu. Apareceram 4 soldados com um baú metálico. Onde o iam pôr? Não havia espaço nos porta-bagagens da avioneta e decidiram colocá-lo no exíguo corredor do aparelho. A suspensão ressentiu-se logo sob o peso do baú. Um dos passageiros reclamou de imediato! Dizia que aquilo era irregular! O militar de patente respondeu - "Ti cala! Si tens medo ápanha outro ávião!!". O indivíduo calou-se … A avioneta fez-se à pista e colocou-se em posição. Os motores aceleraram ao máximo e libertaram-se os travões. Ela rolou veloz ... Faz primeira tentativa para descolar e nada … Novo esforço mais à frente e … e conseguiu descolar … mesmo quando o alcatrão estava quase no fim …

 

Pouco tempo depois, principiou o carrossel. A avioneta começou a ganhar alguma altitude, mas depois caiu alguns metros. Que susto!! A cena repetiu-se, mais altitude e depois, queda! Mais uma vez e mais outra … E outra …E outra!!! Ao mesmo tempo, estremecia imenso, em resultado do vento forte que assolava o planalto! Algumas pessoas começaram a mostrar medo porque a cordilheira montanhosa que circunda o Lubango aproximava-se e avioneta tinha dificuldade em estabilizar e ganhar altitude. Soltaram-se pequenos gritos … Eu comecei a sentir-me mal … Queria vomitar!! Sentia-me muito agoniado devido à ansiedade provocada por aquilo tudo … Entrei em desespero, queria vomitar, mas onde?!?!?! Abri o suporte de revistas na traseira do banco à minha frente e baixei a cabeça para o fazer lá… Mas não foi necessário usar aquele local para tão nojento acto, é que ao baixar a cabeça, o mal-estar começou a passar e em simultâneo, a avioneta também começou a estabilizar e ajudou a desaparecer a indisposição …

 

Passaram-se duas horas angustiantes, quando por volta das 15 horas, avistámos Luanda. O piloto começou a fazer as manobras de aproximação à pista, contornando Luanda pelo lado do mar, o que nos proporcionou uma magnífica vista aérea da baía e da cidade, que se encontravam completamente iluminadas por um Sol magnifico! Um espectáculo que nunca mais iria esquecer! Um assombro!

 

A avioneta tocou o solo que, com o excesso de peso saltou violentamente, várias vezes! Quando parou definitivamente, todos bateram palmas! Uns gritaram: – “Bravo!”; outros: – “Parabéns”! Estávamos vivos. Felizmente, os magníficos pilotos angolanos e cubanos conseguem pilotar na perfeição estas velhas máquinas … E este tinha sido um voo muito complicado!

 

Eram quase 15h30 e não comia nada desde as 7h30. Durante este período, só tinha bebido uma pequena garrafa de água da Chela! O estômago estava colado às costas! Tinha de comer algo! O senhor que me foi buscar ao aeroporto e acompanhar-me durante a breve passagem por Luanda, propôs-me ir almoçar a um dos restaurantes na Ilha do Cabo. “Vamos a isto!” – Retorqui!

 

Quanto terminei o almoço, o meu acompanhante propôs irmos dar uma volta por Luanda até à hora do check-in para Lisboa. Aceitei de imediato! Naquelas duas horas, visitei alguns dos lugares carismáticos da cidade. Circulei por toda a Avenida Marginal... Observei o edifício da sede do Banco de Angola... Fui até ao porto de Luanda... Estive no Largo Mutemba junto ao edifício do Governo Provincial de Luanda (antigo Ministério das Finanças)... Andei pela cidade baixa... Pela parte alta... Admirei a cidade a partir do anfiteatro do antigo cinema Miramar...

 

Ao fim do dia estava no aeroporto. Mais umas horas de espera para o check-in. Seguiu-se a alfândega que carimbou a minha saída de Angola no passaporte. Meia dúzia de metros depois, voltei a ter de mostrar o passaporte a outro funcionário para confirmar que já estava carimbado. Ridículo, e todos os trâmites ainda não estavam completos … Mais umas horas de espera até ao embarque. Mas naquela altura, nada importava. Já só pensava que no dia seguinte estaria em Lisboa com a minha família! Chamaram para o voo. Ia enfrentar as últimas barreiras. Os passageiros tiveram de se perfilar, mulheres para a direita, homens para a esquerda. Fomos todos revistados manualmente para não sairmos com Kuanzas ou com mais de 5000 dólares. Depois seguiu-se a revista pelo portal electrónico … Alguns minutos depois, estava no avião sentado no meu lugar. Que sensação magnifica, pensar que daí a umas horas ia estar em Lisboa ......

 


De novo em Angola

                                                                           Voltar ao topo da página

Manhã do dia 13 de Fevereiro de 2002. Era dia de Carnaval e tinha acabado de chover. Percorria com um meu colega as ruas molhadas e desertas de Luanda, desde o Aeroporto até ao Hotel Tivoli. Estava de novo em Angola para uma nova missão de formação no Lubango. Sentia naquele momento uma mistura de contentamento e angustia. Estava feliz por de novo me encontrar naquele País que tão bem me tinha recebido no ano anterior, mas também estava muito apreensivo porque as condições de permanência tinham mudado. Aliás, a noite que ia passar em Luanda já era sintoma disso, pois ia ficar num hotel de menos estrelas.

 

Mal tinha chegado a Angola e as coisas não começaram a correr bem, pois eu e o meu colega tínhamos tido alguns problemas a passar a Alfândega devido a alguns materiais que nos tinham pedido para levar para o Lubango. Tivemos medo de sermos presos logo naquele momento. Felizmente mantivemos o sangue frio necessário para ultrapassarmos o problema. Contudo, tinha encarado aquilo como um mau augúrio. A expectativa era muita. Voltava a não saber o que ia encontrar. Agora não ia estar sozinho porque outros colegas também vinham para a Huíla, cada um com a sua missão, contudo, tinha acabado de chegar a Luanda e no dia seguinte ia estar no Lubango e, por exemplo, sabia que não havia alojamento para todos os que ainda iriam chegar nas próximas semanas.

 

Eu estava habituado a trabalhar de forma planeada e organizada e aquilo tudo me estava a fazer imensa confusão e fui pensando no ainda poderia ir enfrentar até chegar ao hotel. Este ficava a alguns metros daquele que me tinha alojado durante alguns dias no ano anterior, mas era bastante diferente ... para pior ... Considerava as condições proporcionadas por aquele hotel, algo próximo da realidade angolana (de 2002), ao contrário daquele que já conhecia.

 

Fui para o quarto do hotel descansar da viagem e fazer horas até à manhã seguinte, altura em que iria apanhar o voo regional para o Lubango ... Mal eu sabia nessa altura que alguns dos meus receios mais pessimistas do que poderia vir a encontrar se iam concretizar ...

 


 

“Incidentes”!

                                                                            Voltar ao topo da página

Faltavam alguns minutos para as seis horas da manhã e o Sol já estava acima do horizonte iluminando todo o planalto. Como era habitual, acordava por volta dessa altura e iniciava a minha rotina matinal de aquecer a água para o duche. Precisava do o fazer porque na casa onde estava alojado não existia um esquentador! Enchi um balde de água e liguei a resistência para a aquecer, quando reparei que não havia electricidade! A falta de energia eléctrica era uma situação comum na maioria das cidades angolanas, embora na minha primeira passagem pelo Lubango, essas falhas foram pouco significativas. Contudo, devido às obras de renovação das turbinas da Barragem da Matala, a cidade conhecia agora graves falhas no abastecimento de energia eléctrica. O que corria na cidade, era que as novas turbinas faziam "correr" demasiada potência nos velhos cabos de alta tensão, queimando-os, e obrigando à sua parcial ou total substituição... E, enquanto aconteciam as reparações "à medida das avarias" as falhas continuavam a ocorrer.

 

- “Caramba” - resmunguei entre dentes - “não há outra vez electricidade!”. Fui à varanda e gritei pelo empregado - “Ó ZÉ!”. Passado um pouco, ele apareceu: - “Sim, sô engenheiro?”, ao que respondi: - “Ó Zé, liga o gerador se faz favor!” e ele voltou a retorquiu com o habitual: - “Sim, sô engenheiro!”.

 

Ao fim de 5 minutos, o gerador estava a funcionar. O barulho era ensurdecedor! Já estávamos fartos daquele ruído infernal a ecoar nos cérebros. Desde que a cidade estava com os fortes problemas no abastecimento de  energia eléctrica que recorríamos àquela alternativa ... Só que o gerador fazia um barulho infernal .... Um dos empregados até nós afiançou que aquilo fazia aquele barulho porque o gerador tinha sido o motor de um barco de pesca. Alguns de nós ficaram desconfiados sobre a possível origem do engenho, mas nesta terra, eu já acreditava em quase tudo!

 

A água aqueceu e tomei banho. Os meus colegas fizeram o mesmo. Era algo que já estava mecanizado entre todos. Às 7h30, pequeno-almoço! Por essa altura, chegou o nosso anfitrião no Lubango. Costumava tomar as refeições connosco. Comentou-se a regresso dos problemas com a energia eléctrica. Então ele disse-nos: - “A maka com a luz é só aqui no bairro de Sto. António! Um camionista bêbado, ao tentar estacionar o camião bateu num poste de electricidade e com isso cortou as linhas que fornecem a luz ao bairro. Mas quando passei pelo local, já estavam a arranjar aquilo! Vamos ver é se revolvem isto depressa”.

 

Já tínhamos acabado o pequeno-almoço e combinávamos a distribuição de serviço para esse dia quando, aos gritos, irrompe pela sala o nosso motorista: - “Chefe! Chefe! Cortaram o fio do telefone!” Fomos todos ver! Tinha sido um camião (mais outro !?!) com uma altura da basculante acima do regulamentado (também coisa normal por estas bandas), que ao passar pela rua tinha cortado os fios telefónicos da nossa casa e da dos vizinhos! Como era evidente, o autor dos estragos já não se via ... Nem devia ter dado conta do acontecido...

 

- “E agora?”, Diziam uns. – “Que manhã azarada!”, diziam outros. – “Grande maka!", comentavam os restantes. Ainda fomos tentar arranjar o estrago, mas não tínhamos meios para o fazer. Então, um nosso colega que nasceu em Benguela e lá tinha vivido alguns anos depois da independência, disse-nos para irmos trabalhar que ele resolvia o problema da linha telefónica.

 

Entrámos no jipe e fomos para o Governo Provincial, durante o trajecto vimos os técnicos da ENA a consertar os estragos no poste de electricidade. Por volta da uma da tarde, regressámos para almoçar e verificámos que ainda estavam a reparar os fios eléctricos mas em casa já havia novamente sinal telefónico! Como o nosso colega resolveu aquele problema tão depressa? Ele tido ido procurar um técnico da companhia de telefones, e a troco de uns kuanzas, conseguiu solucionar com a devida urgência aquela avaria! – “É assim que se resolvem rapidamente os problemas em Angola!”, disse-nos ele, todo ufano, mostrando o seu perfeito conhecimento da vivência angolana!

 

A meio do almoço, a energia eléctrica foi reposta. Quando terminámos a refeição, regressámos às nossas actividades no centro da cidade. Voltámos a passar pelo local onde se tinha registado o acidente e para nosso espanto, verificámos que não tinham substituído o poste!!! Aquele, com o embate do camião tinha partido pela base e ficou inclinado sobre a vedação metálica das instalações do Instituto de Estradas de Angola e foi deixado nessa posição! Os técnicos arranjaram os fios eléctricos, estes continuavam a passar pelo poste que se encontrava partido pela base e estava numa situação periclitante, a desafiar as leis da gravidade!!

 

- “Malandros do caraças, vejam só como arranjaram isto!!”, comentou um colega nosso na brincadeira. Todos riamos, a olhar para aquela obra. Contudo, todos sabíamos porque tinham deixado aquilo assim. Não havia, nem dinheiro (para colocar um poste novo), nem sobressalentes, mas a situação não deixava de ser caricata ... E assim ficou até regressarmos a Lisboa!

 


 

 

O Dia da Paz

                                                                            Voltar ao topo da página

Tinham passado poucas semanas desde a morte de Jonas Savimbi, a 4 de Abril de 2002, e o MPLA e a UNITA, assinaram o acordo de Paz que permitia dar alguma expectativa aos angolanos, num futuro melhor. Estes acontecimentos levaram o Governo Central a decretar tolerância de ponto para o dia seguinte, de forma a toda a população puder festejar aquele momento tão importante. Todos os partidos se associaram a esta iniciativa, tão marcante para um povo que conhecia uma situação de guerra há várias décadas.

 

Para além de Luanda, os festejos relativos à assinatura do acordo estenderam-se a todas as capitais de província. No Lubango, estava programada uma passeata por uma das avenidas da cidade, uma concentração frente ao edifício do Governo Provincial com discurso do Senhor Governador Ramos da Cruz e de outras individualidades locais e um cortejo em automóvel que se iniciaria daquele ponto de concentração, contornaria a Nossa Senhora do Monte, iria até ao aeroporto e regressaria ao centro da cidade.

 

Sabendo deste evento, e uma vez que o local onde trabalhávamos (Governo Provincial) não estaria disponível para trabalharmos, durante o pequeno-almoço, e por unanimidade, eu e os meus colegas combinámos um pequeno plano de actividades que incluía irmos até à praça observar o decurso da concentração. Quando chegámos, já tinha terminado a marcha e o discurso do Senhor Governador já ia a meio. Estavam ali alguns milhares de pessoas que se encontravam, na sua maioria, vestidas de branco para assinalar o motivo daquele dia festivo: a Paz!

 

Reparámos nos olhares curiosos das pessoas, por aquele pequeno grupo de brancos, em que me incluía, estar presente a observar aquela manifestação. Após as mensagens dos diversos intervenientes da política local, todas aquelas pessoas começaram a acomodar-se nas várias viaturas disponíveis, e o cortejo arrancou em direcção ao Parque da Nossa Senhora do Monte. Nós decidimos ir até à esplanada do café Kanimambo, beber um café e comer um bolo, dos vários da pastelaria portuguesa que ali eram confeccionados.

 

Comentámos o facto de todas as forças políticas estarem presentes naquele sentimento colectivo e trocámos algumas impressões se, devido a isso, seria desta vez que Angola ia conhecer a Paz. Estávamos neste diálogo animado quando o ruidoso cortejo começou a passar junto à esplanada. As pessoas viam-nos e cumprimentavam-nos e nós retribuímos com aplausos. Percebemos que os manifestantes ficavam reconhecidos por os felicitarmos. Após as últimas viaturas que compunham a coluna passarem, trocámos mais algumas apreciações sobre o futuro de Angola, quando alguém sugeriu irmos dar um pequeno passeio ao mercado do Chioco, na periferia da cidade. Estávamos quase a chegar ao nosso destino quando o desfile motorizado regressava à cidade, após ter dado a volta no Aeroporto da Mukanka. Parámos a pick-up na berma da estrada, saímos e voltamos a aplaudir aquela mole humana cheia de esperança no futuro. Quando passou a última viatura, lá fomos até ao mercado.

 

Na segunda-feira seguinte, estávamos a trabalhar no Governo Provincial quando o Director do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística, se nos dirigiu a agradecer o facto de termos assistido ao discurso do Senhor Governador e de termos aplaudido o cortejo. Só naquele momento tínhamos apercebido da importância da nossa simples presença....

 


 

Os putos engraxadores

                                                                            Voltar ao topo da página

“Ó Tio! Tio! Qué engraxá os sapato?” – perguntava um miúdo à porta do quintal da vivenda. “Também tá ali o Mais Velho! Ó Mais Velho, engraxa os sapato?” – dizia outro miúdo que também espreitava pela porta. Estávamos encostados ao gradeamento da varanda da casa e conversar e virámo-nos para vermos quem nos chamava. Eram três crianças entre os 6 e os 10 anos que sobreviviam como engraxadores.

 

Tínhamos conhecido estes garotos uns três dias antes, junto ao café Kanimambo, quando nos abordaram a perguntar se queríamos engraxar os sapatos. Um de nós disse-lhes que não tínhamos tempo, e em jeito de brincadeira, comunicou-lhes que se aparecessem em nossa casa, na manhã do sábado seguinte, lhes dávamos todos os sapatos que tivéssemos para eles engraxarem … só que ... não lhes dissemos onde morávamos! Era sábado de manhã e eles ali estavam a cobrar o acordo! Olhámos estupefactos uns para os outros e comentávamos: - “Estes malandros deram connosco!”. “Os putos são muito espertos!”. “É assim que se gere um negócio! Correr atrás dos potenciais bons clientes!”.

 

Fomos ter com eles e perguntámos como nos tinham encontrado. Responderam-nos que tinha sido muito fácil. Já tinham visto a nossa pick-up a entrar para o bairro de Santo António e depois perguntaram a uns moradores e todos sabiam indicar onde residiam os “engenheiros” que trabalhavam para o governo provincial. Olhámos uns para os outros e rimos. É que naquele bairro existiam muitos brancos, todos ligados a Organizações Não-Governamentais (ONG), e só nós fazíamos outro tipo de trabalho e até isso eles sabiam! Éramos consultores e formadores dos técnicos do Governo Provincial da Huíla!

 

Dissemos aos pequenos para esperarem um pouco e entrámos na casa a buscar os pares de sapatos que dispúnhamos e voltamos para junto deles. Também nos convenceram a engraxarmos os que trazíamos calçados. Enquanto eles mostravam a sua habilidade no desempenho da sua profissão, fomos conversando com eles. Lá nos disseram que os produtos que usavam vinham da África do Sul, via Namibia... Que viviam no musseque... Que tinham uma série de irmãos e os ajudavam a sustentar... Que iam à escola e sabiam ler e escrever... E por aquilo que nos iam dizendo fomos percebendo que de crianças, apenas tinham a idade! Eram garotos que já tinham vivido a sua infância e já se sentiam adultos ... E como fazê-los passar cada ano a seu tempo, quando se habita num País onde a esperança de vida são os quarenta e poucos anos?

 

Vestiam farrapos e estavam semi-descalços. As caixas de engraxador eram algumas madeiras velhas pregadas entre si. Estas crianças estavam quase no final da cadeia sócio-económica angolana, mas era impressionante ver o brilho de esperança que irradiava dos seus olhos, assim como o sorriso que estampavam nos rostos. O discurso também era de muita fé no futuro. Uns queriam ser camionistas outros engenheiros ...

 

Estavam quase a acabar o trabalho quando chegou um nosso colega. Saiu da pick-up que se apresentava toda enlameada, porque no dia anterior tinha andado a inspeccionar uma picada. Os garotos aproveitaram logo para tentar fazer mais um negócio! Ofereceram-se para lavar a 4x4 por uns quantos kuanzas. Lá negociaram o serviço e ganharam a empreitada.

 

Enquanto lavavam a carrinha, pedimos à nossa cozinheira para confeccionar 3 sandes reforçadas e juntar o mesmo número de gasosas. Quando acabaram, elogiámos o excelente trabalho que eles tinham feito, pagámos aos miúdos e demos-lhe a comida que tinha sido preparada para eles. Ficaram todos felizes pelo almoço gratuito. Não estavam à espera daquele complemento que lhes permitia forrar o estômago. Então, o mais decidido aproveitou para perguntar se podiam aparecer no sábado seguinte para fazerem o mesmo serviço. Dissemos-lhes que estávamos quase de partida para Lisboa, mas enquanto ali estivéssemos que podiam aparecer, mas com uma condição: tinham de continuar a ir todos os dias à escola! E lá foram aparecendo nos poucos sábados que ainda ali estivemos e também passámos a andar de sapatos bem engraxados!

 

Foi interessante observar que aquelas crianças de tão tenra idade já tinham uma mentalidade pré-adulta. Quando olhava para elas pensava no modo como tinham vivido os meus pais em Portugal durante a 2ª Grande Guerra Mundial e nos anos que se lhe seguiram, onde a enorme pobreza provocada por aquela levou a que eles tivessem de começar a trabalhar com 10 anos de idade. Várias décadas depois, via refletida nestas crianças angolanas, a infância de muitas crianças da geração dos meus pais ... e a origem de tanta miséria era infelizmente a mesma: a guerra (mais outra guerra).

 

Era interessante ver que aquelas crianças procuravam trabalhar para sobreviverem em vez de pedirem esmola. Davam a entender algo de muito importante: que tinham dignidade e orgulho apesar de serem muito necessitados economicamente. Era isto que era preciso perceber e era isto que era muito importante incentivar, porque um povo sem dignidade e orgulho nunca será nada e estas crianças fazem parte dofuturo de Angola!

 

Mas também é verdade que sabíamos que estas crianças deviam estar a brincar... Sabíamos que estas crianças deviam andar com brinquedos nas mãos e não com caixas de engraxador... Também sabíamos de toda a nossa impotência perante aquela situação... Naquele momento, apenas sabíamos que nos sentíamos melhor com esta forma de ajudar...

 

 

Aguardem! Mais notas estão para chegar!

                                                                           Voltar ao topo da página

 

[Home][Travel notes][The Huila][The Lubango][The missions][Who to visit][Links][Guestbook][Meeting place]

 

Webpage developed by Joaquim Seixas 2002-2007. All rights reserved